Uma pesquisa desenvolvida pela aluna Melina Guedes Cavalcanti Federici, do curso de Mestrado em Odontopediatria da Faculdade São Leopoldo Mandic, avaliou a evolução da mucosite oral decorrente da quimioterapia, em pacientes submetidos a protocolo de higiene oral e laserterapia, correlacionando sua evolução e fatores de risco em crianças e adolescentes em tratamento oncológico no Hospital Estadual da Criança, no Rio de Janeiro (RJ).

O estudo observacional foi realizado no período de 2013 a 2016, sob a orientação do Prof. Dr. José Carlos P.Imparato e co-orientação da Prof.ª Dra. Thaís Gimenez.

Durante os três anos de observação, foi constatada que a aplicação de um programa de higiene oral e laserterapia preventiva reduziu a ocorrência da muscosite oral, assim como a severidade da mesma, mostrando-se eficaz e segura para ser utilizada em pacientes oncológicos pediátricos.

A mucosite oral (MO) é um efeito comum do tratamento quimioterápico e, dependendo da gravidade, pode influenciar em quadros de comorbidades e limitações para o paciente pediátrico, comprometendo seu estado nutricional, sua qualidade de vida e até mesmo o próprio tratamento.